HAMPTON COURT PALACE, UM PALÁCIO MAL-ASSOMBRADO

Afastado do centro de Londres, o Hampton Court Palace é um dos palácios mais suntuosos e imponentes da capital inglesa. Apesar do jardim cinematográfico e dos quinhentos anos de história real, o palácio não está entre os mais visitados pelos turistas.

https://i0.wp.com/www.lensbury.com/wp-content/uploads/2014/08/Hampton-Court.jpg

Muita gente é desencorajada pela dificuldade de acesso e pela distância, mas vale a pena considerar a visita se você dispuser de pelo menos uma semana na cidade. Confira as principais atrações do local, que incluem até um roteiro mal-assombrado:

História centenária do Hampton Court Palace

O Hampton Court Palace tem mais de cinco séculos de história. Em 1514, o arcebispo londrino Thomas Wolsey tomou a propriedade e investiu alto para transformá-la em um dos palácios mais luxuosos de Londres. Na ocasião, o local atraía muitos nobres e era palco de importantes reuniões a respeito do futuro da Inglaterra no contexto europeu.

O rei Henry VIII, no entanto, ficou com inveja de tanta magnificância e deu um jeito de se apossar do palácio. Henrique ficou famoso principalmente pelos seus incontáveis casamentos, mas também era reconhecido como um entusiasta na construção de palácios. Quando terminou de dar sua cara ao local, havia quadras de tênis, pistas de boliche, jardins para recreação, um parque de caça com mais de 1.100 hectares e cozinhas que totalizavam 36 mil metros quadrados.

Quando o rei William III assumiu o trono, já em 1689, decidiu submeter o palácio a uma modernização inspirada na arquitetura barroca. O processo de reestruturação levou anos e foi interrompido com a morte da rainha Mary II. Quando as obras finalmente ficaram prontas, no início do século dezoito, William não pode aproveitar o palácio, pois morreu em decorrência de uma trágica queda de cavalo.

Em 1760, o rei George III decidiu abandonar o palácio de forma definitiva, sendo o último rei a frequentar o palácio. Em 1837, por decisão da rainha Vitória, o palácio foi aberto a visitantes de todas as classes, tornando-se um dos mais suntuosos pontos turísticos da capital. Daquela época até hoje, o palácio vem passando por reformas pontuais focadas na visitação do público, com constantes adaptações a fim de melhor representar o passado real.

Palácio mal-assombrado?

Em 1537, a rainha Joana Seymour deu à luz ao rei da Inglaterra Eduardo VI, morrendo doze dias mais tarde. De acordo com os relatos de quem visita o palácio, seu fantasma assombra a escadaria do local até hoje.

Já a rainha Catarina Howard foi aprisionada no palácio em 1542 e, antes de os guardas a capturarem, saiu correndo pela Galeria Longa berrando por socorro ao rei Henrique VIII. De acordo com a lenda, os gritos podem ser ouvidos até os dias atuais. Há ainda uma outra versão da história, segundo a qual o fantasma do próprio rei Henrique perambula pelo palácio vez ou outra.

Com tantas histórias de assombração, os responsáveis pela visitação decidiram deixar a visita ainda mais interessante e assustadora: construíram o Labirinto de Sebes.

O Labirinto de Sebes

Plantado entre 1689 e 1695, o labirinto já esteve entre os maiores do mundo. Em 2006, a estrutura foi incrementada com sensores ocultos ativados por movimento, que produzem sons aterrorizantes e aumentam a diversão da brincadeira.

Se você avistar uma assombração, um lençol ou qualquer movimentação suspeita – e atemorizante – , é possível relatar a história no livro de visitas. Quem folhear suas páginas vai encontrar memórias semelhantes…

Beleza dos jardins do Hampton Court Palace

Os históricos jardins ocupam uma área superior a 23 hectares. Em sua totalidade, o parque tem mais de 304 hectares de muita beleza e tranquilidade.

A fauna é basicamente composta por veados – cuja finalidade inicial era compensar as caçadas frustradas de Henrique VIII. Passeios de charrete também estão disponíveis a quem quiser aproveitar o espaço em toda sua imensidão.

Como chegar

O Palácio de Hampton Court fica na zona 6. Você pode usar o Oyster, mas não há estação de metrô por perto. A estação de trem Hampton Court fica a 35 minutos de Waterloo.

Para chegar: Vá até a estação de Waterloo (Bakerloo e Waterloo & City Lines), carregue o Oyster com o valor necessário para chegar e volta da zona 6 (Considerando que você já tem um passe válido para zonas 1 e 2, a extensão para zonas 3 a 6 custa 1,50 libra por trecho fora do horário de pico, ou seja, após as 9h30 em dias de semana e qualquer hora no fim de semana).

Ingresso: Para visitar Jardins, Palácio e Labirinto, o ingresso online custa 16,50 libras para adultos e 8,25 libras para crianças e adolescentes com até 16 anos, crianças com menos de 5 anos não pagam ingresso.

Horários: de 30 de março a 25 de outubro (temporada de verão) – diariamente das 10h às 18h; de 26 de outubro a 28 de março de 2015 (temporada de inverno) – diariamente das 10h às 16h30min.

Fonte: Mapa de Londres

Anúncios

LUGARES PARA RELAXAR COM MUITO LUXO NO REINO UNIDO

Lindas paisagens, mansões inacreditáveis e campos verdes perfeitos para um piquenique nas tardes britânicas não são os únicos atrativos que o interior do Reino Unido pode oferecer. O lugar também é perfeito para relaxar em espaços luxuosos, caminhadas pelos bosques ou até mesmo pelas belas praias da região. Conheça dez estabelecimentos em localização privilegiada que oferecem os melhores serviços de SPA e tratamentos de beleza:

Ruthin Castle Moat Spa, País de Gales

Ruthin Castle Moat Spa relaxar

O spa no Castelo de Ruthin tira proveito de sua localização na mata rústica do antigo fosso do castelo, a cerca de duas horas de trem de Birmingham, região central da Inglaterra. Reunindo natureza e luxo no mesmo lugar, além de tratamentos faciais, esfoliações e máscaras com produtos ESPA, há muitas surpresas também, inclusive uma tenda com sauna e um balanço em formato de casulo pendurado nas árvores da área externa. É o lugar ideal para se entregar a um tratamento de spa natural, com muito ar puro do campo para contribuir com o relaxamento. ruthincastle.co.uk

St Brides Hotel, Saundersfoot

St Brides Hotel

Esse spa de Pembrokeshire tem o mérito invejável de oferecer vistas incríveis de sua piscina infinita, da qual é possível admirar as praias amplas de areia de Saundersfoot, uma pequena estância balneária com muita personalidade. Os quartos contam com encantadoras mantas de lã galesa e toques de arte galesa contemporânea – boa parte está à venda. Já os tratamentos “Confort Zone” do spa cumprem exatamente o que prometem com sessões faciais que abrangem desde purificar até hidratar e tratar com produtos anti-idade. stbridesspahotel.com

Castelo de Glandyfi, Aberystwyth

Castelo de Glandyfi

O Castelo de Glandyfi, com suas torres, fortalezas, baluartes e salas octogonais (sem falar nas vistas espetaculares das montanhas da Snowdonia) é uma hospedaria pequena, excêntrica e romântica que reserva surpresas. Hospede-se no quarto Osprey, com suas cornijas originais pintadas, cama king size com quatro colunas, vista do estuário e uma banheira de hidromassagem redonda em uma sala octogonal. O castelo também pode providenciar terapeutas experientes para tratamentos holísticos e de relaxamento, como massagem, reflexologia, Reiki ou meditação com orientação na privacidade de seu quarto. glandyficastle.co.uk

Gilpin Hotel & Lake House, Lake District

Gilpin Hotel & Lake House

Experiência única de spa, ao lado de um belo lago particular, o Gilpin Hotel & Lake House inaugurou recentemente o ‘Jetty’ Lake House Spa. Concebido para complementar seu ambiente, o spa fica em meio a árvores, à margem da água, e suas duas salas de tratamento aconchegantes incluem fogão à lenha e janelas do chão ao teto com vista para o lago particular. A reservada Lake House, a menos de 2 quilômetros do hotel, fica em frente ao seu próprio lago particular, com piscina coberta, sauna e banheira grande de madeira de cedro ao ar livre. thegilpin.co.uk

Galgorm, County Antrim

https://i1.wp.com/www.qualviagem.com.br/wp-content/uploads/2015/10/Galgorm-Resort-SPA.png

Situado em 66 hectares de um exuberante parque natural, as cabanas de madeira graciosamente rústicas ou os exóticos chalés de pescador de Galgorm ficam próximos do hotel principal e oferecem a privacidade e a flexibilidade de acomodações com cozinha. Com vista para o fantástico Rio Maine, as atividades incluem pesca, golfe no Castelo de Galgorm, tiro ao alvo na Fazenda Carnview e a bela Causeway Coast, que fica uma pequena distância de carro. O spa, escondido em meio ao bosque ao lado do rio e construído com madeira e pedras locais, oferece todos os tratamentos usuais, além de spa termal com sauna turca e o bônus de um ‘Boudoir’ para maior privacidade. galjustgorm.com

Fonte: Qual Viagem // Visit Britain

RESTAURANTES ESCONDIDOS FAZEM SUCESSO EM LONDRES

Mayor of Scaredycat, restaurante em Londres onde os clientes saem e entram pela porta da geladeira – Divulgação

Vem de Londres, terra do mais famoso agente secreto do mundo, a onda é preservar os lugares mais descolados da temporada. Nestes tempos de superexposição, demonstrações de prazeres explícitos e exacerbação de selfies nas redes sociais, luxo mesmo é ser reservado. De preferência, camuflado. A moda no cenário gastronômico em Londres hoje é o speakeasy (nome que remete às casas clandestinas da época da Lei Seca americana) — os bares e restaurantes escondidinhos. Os acessos totalmente fora do comum, vão de uma portinhola descascada e sem letreiro, por um brechó, uma sex shop e por dentro de uma geladeira estilo retrô.

O Experimental Cocktail Club (chinatownecc.com) fica espremido entre restaurantes chineses, atrás de uma portinhola velha, guardado por um segurança marrento. Com inspiração parisiense e poltronas confortáveis, tem uma lista invejável de drinques, como o Síndrome de Estocolmo (vodca, cominho e endro).

A entrada do restaurante mexicano La Bodega Negra (labodeganegra.com) é camuflada por um sex shop, daqueles bem escandalosas, com luz neon brilhante e piscante. Ultrapassando um balcão ao fundo, você encontra ótima trilha sonora, drinques interessantes, comida saborosa e atmosfera envolvente. Comece tomando uma Marguerite da casa acompanhada por quesadillas, siga devagar com a salada de abacate e ceviche, continue com tacos de cogumelos e cordeiro e complete com pork belly e o chili poblano. Detalhe: não adianta querer fazer compras no sex shop, ele é só um disfarce.

No famoso e simpático The Breakfast Club – SpitalfIelds, os ovos benedicts, as deliciosas panquecas de berries e os hambúrgueres já valeriam a visita, mas não é só. A geladeira no meio do salão, que poderia ser apenas um objeto de decoração, reserva uma surpresa: é a porta de acesso para o The Mayor of Scaredy Cat Town (themayorofscaredycattown.com), lembrando a entrada para o escritório do trapalhão agente 86 Maxwell Smart, sucesso na TV nos anos 1970 que ganhou filme em 2008 com Steve Carrell. Atravessando a geladeira, desça para o subsolo e vai encontrar um ambiente com iluminação âmbar, banquinhos altos, barmen competentes e petiscos como a bela tábua com queijos stilton, cheddar e de cabra, suculentas azeitonas italianas e lulas sequinhas e crocantes que podem ser acompanhadas do drinque Kumquat Smash (laranjinhas, folhas de manjericão, vodca e açúcar) ou do Honey I Shrunk The Drink (rum, cointreau, licor de especiarias, limão e mel). Beba com cuidado: os drinques parecem inocentes, mas dois são suficientes para tornar difícil subir as escadas na saída.

O Back in 5 Minutes é do grupo Disappearing Dining Club (disappearingdiningclub.co.uk), que encampou a ideia de reunir pessoas para comer e beber bem em lugares incomuns. Fica no subsolo de uma loja de roupas vintage e acessórios ótimos. No comando estão Stuart Langleys e o chef Fredrik Bolin. Eles servem menu degustação sazonal com opções de dois, três ou seis pratos, em ambiente com três mesas coletivas que somam 28 lugares. O ânimo, que começou com as comprinhas e aumenta com a comida, leva a bate-papo com os vizinhos de mesa (os celulares geralmente não funcionam nos speakeasy) e a quem sabe conseguir dica para o próximo restaurante clandestino.

A espécie humana sempre gostou de clãs e sociedades secretas e também de fazer coisas diferentes, fora do comum e reservadas para poucos. Os jovens de hoje não conhecem uma vida sem a exposição nas redes e sem conexão, para eles é uma experiência exótica — diz a educadora Patricia Lins e Silva.

Fonte: OGlobo